Jejum – A última Dieta da Moda?
Resource

Jejum – A última Dieta da Moda?

By Jason Fung, MD

Não há nada de novo, exceto o que já foi esquecido - Maria Antonieta

  • O jejum não é uma moda passageira, pois é promovido há milhares de anos
  • Praticamente todas as grandes religiões adotam o jejum
  • Grandes figuras históricas, incluindo Hipócrates “O Pai da Medicina Moderna” e Benjamin Franklin, foram grandes defensores do jejum
  • A ideia de que o jejum é prejudicial é relativamente recente
Por Jason Fung, M.D., Co-fundador de The Fasting Method. Traduzido por Maira Soliani, M.D/ PhD.

A mídia atual sugere que o jejum é apenas a última modinha das dietas, mas isso seria realmente verdade? Um modismo é um entusiasmo intenso e amplamente compartilhado que tem vida relativamente curta. Existem muitos modismos que não resistiram ao tempo – tamagochis, brinquedinhos spinners fidget e o Desafio do Balde de Gelo da Internet me vêm à mente. Também houve muitas dietas da moda – como a dieta de biscoitos, ou a dieta da sopa de repolho ou a dieta de comida para bebês. Embora possam funcionar a curto prazo, nenhum desses parece apetitoso o suficiente para um sucesso duradouro. O jejum intermitente está se tornando cada vez mais popular, então ele se qualificaria como a última moda das dietas?

A perda de peso não é apenas uma questão de “o que comer”, mas também de “quando comer”. É impossível ignorar a questão da frequência. Cair de um prédio a 300 metros do solo uma vez não é o mesmo que cair 1000 vezes de uma mureta de 30 centímetros de altura. No entanto, a distância total ainda é de 300 metros. Um vai te matar, o outro não. Para perder peso, você pode modificar:

  1. Que alimentos você come
  2. Com que frequência você os come

Há muita discussão sobre quais alimentos são saudáveis ​​ou não, mas muito pouco sobre a frequência com que devemos comer. Logicamente, se você quer perder peso, você deve comer o menos frequentemente possível. Se uma xícara de café gourmet sofisticado custa R$15,00 está tudo bem se você toma uma vez por mês, mas não tão bom se você bebe 5 vezes por dia. A frequência sempre importa. Qualquer momento em que você não come é chamado de ‘jejum’, então essa estratégia é freqüentemente chamada de jejum intermitente. Mas espere! O jejum não é apenas a última dieta da moda?

Não. O jejum é na verdade a intervenção nutricional mais antiga do mundo. Não é um milagre de dieta exótico nunca antes experimentado. Em vez disso, o jejum é uma antiga tradição de cura praticada por praticamente todas as culturas e religiões do planeta.

Jejuar não é Passar Fome

O jejum é fundamentalmente diferente da Fome/ Inanição em um aspecto importante: o controle. O jejum é a abstenção voluntária de alimentos por motivos espirituais, de saúde ou outros. A Fome é a ausência involuntária de comida. Não é proposital nem controlado. Pessoas que passam Fome não têm previsão de quando e de onde virá sua próxima refeição. Os dois termos NUNCA devem ser confundidos. É a diferença entre correr para se divertir e fugir de um lobo faminto.

O jejum pode ser feito por qualquer período de tempo, de algumas horas a meses a fio. Você pode começar a jejuar quando quiser e pode parar de jejuar quando quiser. Você pode usar uma variante de jejum, permitindo alguns alimentos ou bebidas durante, como chá, café ou caldo de osso. Ou você pode fazer um jejum tradicional estrito com apenas água. Talvez você possa fazer uma variante do jejum em um dia e um jejum estrito no outro. Você pode jejuar uma vez por mês ou todos os dias. Em certo sentido, o jejum faz parte da vida cotidiana. O termo ‘quebrar o jejum’ é a refeição que quebra o jejum – o que é feito diariamente. Está tudo nas suas mãos. Você está totalmente no controle.

Uma Tradição Antiga

O jejum é uma das tradições de cura mais antigas e difundidas no mundo. Hipócrates de Cos (c 460 – c370 aC), amplamente considerado o pai da medicina moderna, prescreveu e defendeu a prática do jejum. Ele escreveu: “Comer quando você está doente é alimentar sua doença”.

O antigo escritor e historiador grego Plutarco (cAD46 – c AD 120) também ecoou esses sentimentos. Ele escreveu: “Em vez de usar remédio, melhor Jejuar hoje”. Os pensadores da Grécia Antiga, Platão e seu aluno Aristóteles, também eram partidários ferrenhos do jejum. Os antigos gregos acreditavam que o tratamento médico podia ser observado na natureza. Os humanos, como a maioria dos animais, não comem quando ficam doentes. Por essa razão, o jejum é chamado de “médico interno”. Este ‘instinto’ de jejum torna cães, gatos e humanos inapetentes quando estão doentes. Esta sensação é certamente familiar a todos. Considere a última vez que você adoeceu com gripe. Provavelmente, a última coisa que você queria fazer era comer. Portanto, o jejum parece ser um instinto humano universal para múltiplas formas de doenças. Assim, o jejum está enraizado na herança humana e é tão antigo quanto a própria humanidade.

Os antigos gregos acreditavam que o jejum melhora as habilidades cognitivas. Pense na última vez em que você comeu uma grande ceia de Natal. Você se sentiu cheio de  energia e mentalmente alerta depois? Ou, em vez disso, você se sentiu sonolento e um pouco tonto? Mais provavelmente o último. O sangue é desviado para o sistema digestivo para lidar com o enorme influxo de alimentos, deixando menos sangue ir para o cérebro. Resultado – food coma, ou letargia pós prandial.

Outros gigantes intelectuais também foram grandes defensores do jejum. Philip Paracelsus, o fundador da toxicologia e um dos três pais da medicina ocidental moderna (junto com Hipócrates e Galeno) escreveu: “O jejum é o maior remédio – o médico interior”. Benjamin Franklin (1706-1790), um dos fundadores da América e conhecido por seu amplo conhecimento em muitas áreas, escreveu certa vez sobre o jejum: “O melhor de todos os remédios é descansar e jejuar”.

O jejum para fins espirituais é amplamente praticado e continua a fazer parte de praticamente todas as principais religiões do mundo. Jesus Cristo, Buda e o profeta Maomé compartilhavam uma crença comum no poder de cura do jejum. Em termos espirituais, muitas vezes é chamado de limpeza ou purificação, mas, na prática, significam a mesma coisa. A prática do jejum desenvolveu-se de forma independente entre as diferentes religiões e culturas, não como algo prejudicial, mas como algo profunda e intrinsecamente benéfica para o corpo e o espírito humanos. No budismo, a comida geralmente é consumida apenas pela manhã, e os praticantes jejuam do meio-dia até a manhã seguinte diariamente. Além disso, pode haver vários jejuns somente com água por dias ou semanas a fio. Os Cristãos Gregos Ortodoxos podem seguir vários tipos de jejuns por até 180-200 dias por ano. O Dr. Ancel Keys costumava considerar a Ilha de Creta a garota-propaganda da dieta mediterrânea saudável. No entanto, havia um fator extremamente importante que ele ignorou completamente: A maioria da população de Creta seguia a tradição ortodoxa grega de jejum.

Os muçulmanos jejuam de sol a sol durante o mês sagrado do Ramadã. O profeta Muhammad também incentivou o jejum às segundas e quintas-feiras de cada semana. O Ramadã é o período de jejum melhor estudado. É diferente de muitos protocolos de jejum porque os líquidos também são proibidos. Soma-se ao período de jejum, um período de leve desidratação. Além disso, como é permitido comer antes do nascer do sol e após o pôr do sol, estudos recentes (27) indicam que a ingestão calórica diária na verdade aumenta significativamente durante esse período. Se esbaldar de comer antes do nascer do sol e após o pôr do sol parece anular alguns dos efeitos benéficos do jejum.

Portanto, o jejum é realmente uma ideia que tem resistido ao teste do tempo. Pode-se argumentar que as três pessoas mais influentes que já viveram concordam que o jejum é benéfico. Se essa fosse uma prática prejudicial, você não acha que teríamos descoberto isso, digamos, 1000 anos atrás?  

Certamente há pessoas que não querem que você jejue. Aí está esse sujeito feliz ….

Essa adorável sereia também não quer que você jejue …

E não se esqueça deste amável Tigre ….

“Eles são nojentos.”

Portanto, a questão se resume a isso. O jejum parece uma moda passageira para você? Com relação à sua saúde, em quem você confiaria?

Para mais informações, veja O Código da Obesidade

Saiba mais sobre o chá de jejum Pique.

Confira “O Método do Jejum” (The Fasting Method) para obter a educação e o suporte necessários para começar a jejuar.


Jason Fung, MD
By Jason Fung, MD

Jason Fung, M.D., is a Toronto-based nephrologist (kidney specialist) and a world leading expert in intermittent fasting and low-carb diets.

Share this article with a friend
More articles you might enjoy...More Blogs