Os Paradigmas em Evolução do Câncer
Resource

Os Paradigmas em Evolução do Câncer

By Jason Fung, M.D.

Autor: Jason Fung, MD, médico especialista (medicina interna e nefrologia), autor do best – seller do New York Times com o próximo livro The Cancer Code (Harper Wave , versão de 10 de novembro de 2020 ) examinando novos desenvolvimentos na compreensão de paradigmas do câncer .

Traduzido por Maira Soliani, M.D.

O câncer , a segunda principal causa de morte na América, é talvez o maior mistério remanescente da medicina. A literatura médica científica tem desvendado as causas subjacentes da maior parte das doenças do mundo, de micro-organismos que causam infecções a aterosclerose que causa doença cardíaca e derrames passando pelas doenças genéticas como a anemia falciforme e a fibrose cística. Mas para uma doença tão comum, nós simplesmente não sabemos a resposta – o que é câncer? Por que ele se desenvolve? Nosso entendimento passou por muitas mudanças radicais, mais recentemente na década passada.

O antigos médico grego Hipócrates , muitas vezes chamado o pai da medicina moderna nomeou o nosso eterno inimigo usando a palavra karkinos , que significa caranguejo. Esta descrição surpreendentemente astuta ressalta a dificuldade de tratar o câncer, bem como a sua propensão para se espalhar pelo corpo, ou metastatizar. Os antigos gregos acreditavam que todas as doenças resultavam de um desequilíbrio dos quatro humores – sangue, flegmão, bile amarela e bile negra. As doenças inflamatórias eram causadas por muito sangue. A icterícia era causada por excesso de bile amarela e o câncer por excesso de bile negra. Os tratamentos visavam remover o excesso de bile negra, incluindo aquelas práticas antigas, como – sangria, purgação e laxantes. Mas por mais que tentassem, ninguém conseguiu realmente encontrar qualquer bile negra.

Por volta de 1700, a teoria humoral deu lugar à teoria da linfa que atribuiu o câncer a uma fermentação e degeneração de fluido linfático estagnado. Essa teoria focalizou corretamente o fato de que o câncer é derivado originalmente de nossos próprios tecidos, que, de alguma forma tornaram-se degenerados. Em meados dos anos 1800, o microscópio permitiu outro grande avanço na compreensão do câncer, concentrando-se nas células que fabricam os nossos tecidos , que foram observadas por crescer exuberantemente e fora de controle.  Isso formou a base do primeiro paradigma moderno de compreensão do câncer – como uma doença de crescimento celular excessivo.

Um órgão adulto normal , tal como o pulmão , não se mantém a crescer ao longo do tempo , até ficar do tamanho de uma pequena pedra. As células pulmonares normais também não se movimentam, indo ao centro da cidade para papear com o fígado. No entanto , no câncer de pulmão , um pequeno grupo de células nocivas se prolifera e não pára de crescer ou se movimentar , até que você mate o câncer ou ele o mate .

Este paradigma de câncer como uma doença de crescimento celular excessivo sugeriu uma solução lógica para aquelas desagradáveis células cancerosas . Matá-las.  A partir desse paradigma, desenvolvemos armas de destruição celular em massa – corte ( cirurgia ) , queima ( radiação ) e veneno ( quimioterapia ) . Médicos calibram e combinam métodos indiscriminados de matar células para matar o câncer pouco antes de  também pouco antes de matar o paciente. Se eles tiveram sorte . Este foi um avanço impressionante na terapêutica do câncer e ainda é a base de muitos dos tratamentos atuais . No entanto, essas modalidades deste primeiro paradigma em última análise, atingiram os seus limites em meados 1970 porque não respondeu a pergunta crucial de por que as células cancerosas estão crescendo excessivamente.

A transformação de células  normais em células cancerosas não é um processo totalmente aleatório. Substâncias que aumentam o risco de câncer são chamados agentes cancerígenos. A primeira substância identificada foi a fuligem (que causa câncer escrotal) , mas desde então , a fumaça do tabaco, radiação ionizante, amianto e certos vírus e bactérias foram identificados como cancerígenos. Encontrar a ligação entre todos esses carcinógenos díspares poderia sugerir a solução para o que estava causando o câncer.

A revolução genética do fim do século  20  forneceu uma resposta , levando a uma nova compreensão do câncer . Genes contêm as instruções necessárias para as células crescerem ou pararem de crescer e uma mutação desses genes poderia comandar as células a crescerem excessivamente. Todos os agentes cancerígenos causam dano genético e por acaso , danos a um gene crítico regulador de crescimento pode levar ao câncer. Na década de 1990, as primeiras terapias-alvo no defeito genético específico subjacente foi além de nossas imaginações mais otimistas. Parecia simples localizar o defeito genético específico de cada tipo diferente de cancer e o desenvolvimento de uma droga ou anticorpo específica para o corrigir. Esforços de pesquisa multinacionais com orçamentos de bilhões de dólares, como o Projeto Genoma Humano e o Atlas do Genoma do Câncer, pesquisaram diligentemente por essas mutações genéticas . Eles encontraram algum? Sim, você pode ter certeza disso. Em 2018 , foram identificadas quase seis milhões de mutações diferentes em vários tipos de câncer .

A variação era desconcertante. Alguns cânceres tinham centenas de mutações e outros nenhuma. Pacientes diferentes com cânceres semelhantes apresentaram mutações distintas. Mesmo dentro do mesmo paciente, os cânceres retirados de locais apresentavam mutações distintas. Encontrar drogas para combater cada um dessas mutações era claramente impossível. Quando a enormidade das tarefas foi revelada, o progresso na terapêutica do câncer diminuiu. O novo paradigma genético do câncer começou com uma grande promessa que tem sido largamente deixada por cumprir. Mais uma vez, essa hipótese falhou em responder à pergunta do porquê . Mutações genéticas estavam causando o crescimento excessivo das células. Mas por que essas células estavam sofrendo mutações?

Recentemente, surgiu um novo e fascinante conceito de câncer . O câncer se desenvolve por meio de mutações genéticas, mas essas mutações não são aleatórias. Existe apenas um poder no universo biológico forte o suficiente para coordenar as centenas de mutações genéticas em um comportamento coerente que define o câncer .

Evolução.

O câncer é uma doença evolutiva . Mas o câncer não evolui no vetor ‘para frente’, mas ‘para trás’. As células cancerosas são mais primitivas do que as células normais. As células cancerosas são menos especializadas. As células cancerosas são menos diferenciadas. Na verdade, esses são os próprios termos usados ​​pelos patologistas para descrever o aparecimento de células cancerosas. O termo médico anaplasia , freqüentemente usado para descrever células cancerosas, é derivado das raízes gregas ana “ para trás” e plasis “formação”. O câncer não é uma mutação genética aleatória, mas uma reversão direcionada a um estado evolutivamente anterior . O comportamento canceroso já existe enterrado profundamente em todas as células e o câncer está seguindo esse caminho guiado de volta às suas origens evolutivas como organismos unicelulares . Por quê?

Alguns pesquisadores levantam a hipótese de que essa reversão celular é uma resposta de sobrevivência contra danos crônicos. Toxinas PERSISTENTES, sub-letais , tais como a fumaça do tabaco ou radiação ionizante geram uma pressão na seleção natural que favorece a versão celular mais simples e mais robusta que contém mais atributos de sobrevivência. Mas ao mesmo tempo também manifesta os atributos que fazem do câncer único – o seu crescimento excessivo, a propensão para se espalhar (metástases) e a sua imortalidade.

Isso explica como a semente do comportamento cancerígeno existe em todas as células de organismos multicelulares – de humanos a cães, ratos e formas de vida simples como a hidra microscópica. Perseguindo o mistério da origem do câncer além do início da vida humana e até o limite da vida multicelular, este paradigma do câncer como uma doença evolutiva tem muitas implicações profundas e responde a muitos dos paradoxos do câncer . Como um câncer pode se desenvolver a partir de qualquer célula do corpo? Como o câncer pode afetar praticamente todas as formas de vida multicelulares na Terra ? Por que o câncer é tão comum?

Mas mesmo a semente mais resistente não consegue florescer sem o solo adequado. Em condições de nutrição e crescimento excessivos (obesidade e diabetes tipo 2, por exemplo), o câncer é um passageiro entusiasmado. Remodelar nossa visão do câncer como uma doença evolutiva significa que podemos aplicar todo o campo da biologia evolutiva ao “problema do câncer” e começar a retomar as rédeas dos fatores que afetam seu crescimento . A semente do câncer pode existir em todas as células, mas isso não quer dizer que tenhamos um encontro marcado Emperor de todos o Mal. Temos o poder de mudar o solo em que essa semente é plantada e, portanto, nosso destino oncológico. Leia mais no  livro, The Cancer Code do Dr Jason Fung, apenas disponível na versão em Inglês.


Jason Fung, M.D.
By Jason Fung, M.D.

Jason Fung, M.D., is a Toronto-based nephrologist (kidney specialist) and a world leading expert in intermittent fasting and low-carb diets.

Share this article with a friend
More articles you might enjoy...More Blogs